5- Período Científico

O período da História do Pensamento Contábil que se inicia nos meados do Século XIX teve como marco a busca dos doutrinadores pelo verdadeiro objeto de estudo da Contabilidade. O surgimento de doutrinas contrárias ao Contismo trouxeram uma noção muito mais extensa da Ciência Contábil, passando-se a buscar a explicação dos fatos patrimoniais, transformando as contas em meros instrumentos de informação e não o objeto de estudo principal da Contabilidade.

Dentre as Escolas de Pensamento Contábil que se destacaram neste momento estão:

a) Materialismo Substancial;

b) Personalismo;

c) Controlismo;

d) Reditualismo;

e) Aziendalismo;

f) Patrimonialismo.

Ressalta-se como acontecimento histórico importante deste período a divulgação da obra de R. P. Coffy na Academia de Ciências de Paris, na qual reclamava a posição científica da Contabilidade, a qual, para este autor, possuía como objeto de estudo o “Capital”.

No entanto, devido a grande popularidade conquistada pela Escola Patrimonialista entre os estudiosos contábeis no mundo inteiro, a maior parte dos doutrinadores consideram o “patrimônio” como o objeto de estudo da contabilidade. Inclusive no Brasil, observamos a influência patrimonialista na Resolução CFC n. 750, a qual institui (dentre outros) o princípio contábil da entidade que considera o patrimônio como objeto da Contabilidade.

O Período Científico apresenta, nos seus primórdios, dois grandes autores consagrados: Francesco Villa, escritor milanês, contabilista público, que, com sua obra "La Contabilità Applicatta alle administrazioni Private e Plubbliche", inicia a nova fase; e Fábio Bésta, escritor veneziano.

Os estudos envolvendo a Contabilidade fizeram surgir três escolas do pensamento contábil: a primeira, chefiada por Francisco Villa, foi a Escola Lombarda; a segunda, a Escola Toscana, chefiada por Giusepe Cerboni; e a terceira, a Escola Veneziana, por Fábio Bésta.

Embora o século XVII tivesse sido o berço da era científica e Pascal já tivesse inventado a calculadora, a ciência da Contabilidade ainda se confundia com a ciência da Administração, e o patrimônio se definia como um direito, segundo postulados jurídicos.

Nessa época, na Itália, a Contabilidade já chegara à universidade. A Contabilidade começou a ser lecionada com a aula de comércio da corte, em 1809.

A obra de Francesco Villa foi escrita para participar de um concurso sobre Contabilidade, promovido pelo governo da Áustria, que reconquistara a Lombarda, terra natal do autor. Além do prêmio, Villa teve o cargo de Professor Universitário.

Francisco Villa extrapolou os conceitos tradicionais de Contabilidade, segundo os quais escrituração e guarda livros poderiam ser feitas por qualquer pessoa inteligente. Para ele, a Contabilidade implicava conhecer a natureza, os detalhes, as normas, as leis e as práticas que regem a matéria administrada, ou seja, o patrimônio. Era o pensamento patrimonialista.

Foi o inicio da fase científica da Contabilidade.

Fábio Bésta, seguidor de Francesco Villa, superou o mestre em seus ensinamentos. Demonstrou o elemento fundamental da conta, o valor, e chegou muito perto de definir patrimônio como objeto da Contabilidade.

Foi Vicenzo Mazi, seguidor de Fábio Bésta, quem pela primeira vez, em 1923, definiu patrimônio como objeto da Contabilidade. O enquadramento da Contabilidade como elemento fundamental da equação aziendalista, teve, sobretudo, o mérito incontestável de chamar atenção para o fato de que a Contabilidade é muito mais do que mero registro; é um instrumento básico de gestão.

Entretanto a escola Européia teve peso excessivo da teoria, sem demonstrações práticas, sem pesquisas fundamentais: a exploração teórica das contas e o uso exagerado das partidas dobradas, inviabilizando, em alguns casos, a flexibilidade necessária, principalmente, na Contabilidade Gerencial, preocupando-se demais em demonstrar que a Contabilidade era uma ciência ao invés de dar vazão à pesquisa séria de campo e de grupo.

A partir de 1920, aproximadamente, inicia-se a fase de predominância norte-americana dentro da Contabilidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário